Rio de Janeiro, 13 de janeiro de 2017

Cinema em casa

Da sala da sua casa para o condomínio: os home theaters e os espaços de cinema estão cada vez mais presentes nas áreas comuns Continue lendo

cinema
tamanho do texto:

Mário Camelo

Imagina se você pudesse numa tarde de domingo simplesmente sair da sua casa, pegar o elevador, descer e em menos de cinco minutos estar dentro de uma sala de cinema. E mais: com direito a pipoca e refrigerante, e sem ter que se preocupar em comprar as entradas, ficar nas filas, estacionamento ou qualquer outra dor de cabeça que possa acontecer em todo esse processo. Pois esse “sonho” de ir ao cinema sem sair de casa não é mais uma ideia tão distante. Ele já faz parte da rotina de muitos moradores de condomínios cariocas. E quer saber mais? Ter uma estrutura de cinema ou home theater no condomínio é mais fácil do que parece.

Muitas construtoras já estão planejando seus próximos lançamentos imobiliários com espaços totalmente dedicados a essa nova atração que já caiu no gosto de quem busca um apartamento nos chamados “condomínios-boutique”. Mas também há casos de síndicos que, simplesmente, querem ocupar um espaço vazio no seu prédio com uma funcionalidade mais que especial para os moradores. Segundo Roberto Marques Pereira, diretor comercial de uma empresa especializada em equipamentos de home theater e eletrônicos, as duas situações são possíveis de implementar, tecnicamente falando.

“É totalmente possível ter um espaço cinematográfico do ponto de vista tecnológico em qualquer condomínio. A única coisa realmente necessária é um local de, pelo menos, vinte metros quadrados. Com isso já dá para montar uma sala de cinema. Claro, vai ser compacto, mas ideal para abrigar todas as configurações técnicas necessárias”, conta ele, que já criou quatro salas como essa em condomínios de Jacarepaguá e da Barra da Tijuca.

Roberto comenta que, antes, quando essa tecnologia ainda não era tão popular, muita gente evitava esse tipo de espaço com home theater, até mesmo em casa, com medo de que os equipamentos importados apresentassem algum problema. “Hoje, todos esses aparelhos já têm garantia oficial do Brasil, com direito à visita periódica da empresa que implanta a tecnologia e assistência técnica”.

Segundo o profissional, o ideal hoje é que esses espaços sejam preparados para receber basicamente telão, projetor e poltronas. As televisões com telas de 100 polegadas, uma outra opção, além de mais caras, são um verdadeiro “Cavalo de Tróia”, pois costumam apresentar mais problemas devido à grande quantidade de moradores que vão frequentar o espaço.

A experiência de quem já tem

Ismael Vidinha é coordenador desde 2012 do Condomínio Quartier Carioca, onde a APSA ocupa a função como sínaida. O prédio, localizado no Catete, possui 864 unidades em oito blocos, 15 lojas, spa, academia e uma sala de cinema exclusiva para os moradores. Funciona assim: todo condômino pode ir e até mesmo convidar um familiar ou um amigo. As sessões são sempre sextas, sábados, domingos e feriados e a administração cuida de toda a gestão, programação e controle de entrada. As exibições começam sempre às 16h com um filme especial para as crianças, depois tem a sessão para os adolescentes e adultos. “A seleção dos filmes é feita pela nossa equipe, mas é claro que levamos em conta a opinião e sugestões dos moradores também. Na maioria das vezes alugamos os filmes ou utilizamos um serviço de streaming”, conta ele.

O condomínio possui um equipamento moderno no qual os filmes são exibidos por um computador conectado a um projetor digital HD e ao sistema de home theater. O projeto foi implantado assim que a administradora assumiu a gestão e demorou menos de um ano para ser concluído. Para tanto, não foi necessário pedir cotas extras aos condôminos. O próprio caixa do condomínio pagou os custos em algumas parcelas. A reforma do lugar destinado à sala de cinema, que já estava previsto no projeto inicial do edifício, mas que nunca tinha sido inaugurado, é comemorada até hoje pelos moradores. “Modernizamos todos os equipamentos e podemos até mesmo exibir alguns filmes em 3D. Nós divulgamos as sessões com antecedência pelo quadro de avisos e também por e-mail. E a adesão dos moradores é altíssima. Quase sempre atingimos a capacidade máxima, principalmente nas sessões infantis”, diz Ismael.

O sucesso é tanto que o condomínio já fez até mesmo festivais temáticos, como a “Semana do Filme Nacional”. E vêm mais novidades por aí: “Vamos criar sessões com filmes antigos para exibir aos moradores idosos nos dias de semana. Certamente vai ser um sucesso. É mais uma comodidade para esse público tão carente de atrações culturais”, conclui Vidinha.

 

KIT BÁSICO PARA TER UMA SALA DE CINEMA NO SEU CONDOMÍNIO

Se você ficou interessado ou se tem um espaço vazio no seu condomínio, saiba o que é necessário para ter uma sala de cinema*:

1) Tela – Um modelo especial a partir de 120 polegadas;

2) Projetor – Um modelo específico para fixar no teto, porém deve ser um projetor para home theater e não os projetores que se usam no mercado corporativo. Visualmente eles são bem parecidos, mas a tecnologia é diferente. Os projetores para home theater possuem som e imagens similares aos de uma tela de cinema de verdade. Não se deixe enganar;

3) Receiver – O receiver é justamente o aparelho que vai transmitir o filme (som e imagem) para o projetor, que por sua vez transmite para a tela grande. Pode ser instalado num blu-ray, TV a cabo ou num computador. E se a conexão com a internet for boa, a transmissão pode ser feita até mesmo por streaming (serviços online como o Netflix e a Amazon);

4) Som – O ideal são pelo menos sete caixas de som e um subwoofer, equipamento responsável pelos sons graves;

5) Poltronas – Você pode escolher as suas, mas as lojas especializadas trabalham com poltronas iguais que as dos cinemas: reclináveis, para uso manual ou elétrico. O posicionamento das cadeiras também é importante e isso também fica a cargo das empresas que entendem do assunto;

6) Regras – Procure implementar regras para a utilização e, se possível, inclua estas regras no Regimento Interno do condomínio, afim de evitar possíveis conflitos entre os moradores.

*Configuração estipulada pela empresa do entrevistado, Roberto Marques

 

Dicas para o uso do espaço comum

  • Estabeleça um horário de funcionamento da Sala de Cinema;
  • Para menores de 12 anos é indicada a obrigatoriedade do acompanhamento dos pais ou responsáveis;
  • Grande parte dos condomínios proíbe o consumo de bebidas alcóolicas e comidas no interior das salas, apenas pipoca, refrigerantes e água;
  • Danos causados por moradores ou convidados devem ser ressarcidos ao condomínio;
  • Estabeleça capacidade máxima para a lotação do espaço, no intuito de preservar não apenas pela ordem mas também pela segurança de todos que estiverem usufruindo do local;
  • Como se trata de um ambiente de uso comum, a cobrança de ingresso de qualquer forma ou sob qualquer pretexto deve ser proibida;
  • Durante toda a exibição do filme a porta da sala deve estar destrancada.