Rio de Janeiro, 12 de maio de 2015

Todos contra o Aedes

A prevenção começa dentro de casa, por isso é hora de arregaçar as mangas contra a doença Continue lendo

tamanho do texto:

André Luiz Barros

Ele é pequeno, muitas vezes nem percebemos sua presença, mas basta um descuido para que transmita uma doença que já deixou de cama e levou ao óbito centenas de cariocas nos últimos anos. Algumas pessoas costumam ficar mais atentas aos perigos da dengue durante o verão, mas uma simples tampinha de garrafa esquecida na rua em qualquer época do ano pode se transformar em um criadouro para o Aedes Aegipty.

Há aproximadamente três anos, uma das síndicas do condomínio 27 de setembro, em Marechal Hermes, intensificou a luta contra a epidemia de dengue que rondava o bairro e o prédio onde mora. A dona de casa Ana Lúcia Lopes decidiu que era hora de mobilizar os outros condôminos para expulsar o vizinho indesejado: o mosquito Aedes Aegypity. “Na época, um dos vizinhos insistia em deixar um balde virado com a boca para o lado de cima, em uma das áreas comuns do prédio. Todos os dias eu tinha que pedir para que o faxineiro desvirasse o balde, mas o episódio se repetia”, conta.

Foi aí que, em uma manhã, ela decidiu colar um cartaz na portaria do prédio, com letras grandes lembrando que a dengue era perigosa e que colocava em risco não só ele, mas a todos os moradores do prédio e da vizinhança. “Minha intenção ao colar o cartaz era fazer com que ele e todos os moradores, ao passarem pela portaria, lembrassem que essa era uma doença séria e que poderia levar à morte. Minha maior preocupação era com minha mãe, que na época já tinha mais de 80 anos, e a maioria dos vizinhos também eram idosos, uma idade em que qualquer doença fica mais difícil de tratar”, explicou.

Depois do cartaz os outros moradores compraram a “briga” e também passaram a “fiscalizar” quem deixasse focos que pudessem ser um local de propagação do mosquito transmissor da dengue. “Percebi que o cartaz serviu como um alerta diário e um lembrete de que basta um mosquito para espalhar a doença para uma grande área e assim todos ficaram mais atentos às suas atitudes”, comenta ela.

Ana está certa. De acordo com o biólogo e professor de biologia Ricardo Palmeiro, alguns estudos demonstram que a dispersão do Aedes Aegipty está relacionada à densidade populacional. “Em ambientes com muitas casas próximas, os mosquitos voam, aproximadamente, entre 40 a 50 metros. Em bairros com menor aglomeração urbana, aproximadamente 100 metros, podendo chegar a 240 metros. Já em regiões sem barreiras à dispersão do mosquito como montanhas, praias ou grandes avenidas o vetor pode checar a um raio de voo de 800 metros”. Ou seja, o descuido de uma pessoa pode pôr em risco centenas de pessoas a seu redor.

No prédio onde a também dona de casa Fátima Vieira mora, na Tijuca, limpeza e cuidado para evitar focos da doença também são regra. “É difícil encontrarmos um local que esteja 100% livre dos mosquitos, mas tentamos fazer o máximo para que eles não procriem. Nunca tivemos casos de dengue entre nossos vizinhos”, relata a síndica. Fátima conta que a cada seis meses é realizada uma manutenção das caixas d’água, os jardins do prédio e os vasos de planta recebem cuidados especiais e em épocas de surto da doença costumam espalhar cartazes nos elevadores e áreas comuns do prédio para alertar os moradores.

Ricardo ensina que os prováveis criadouros devem ser eliminados semanalmente, uma vez que, em condições favoráveis, após a eclosão do ovo até a forma atual pode levar um período de 10 dias. “Devemos lembrar que os ovos adquirem resistência ao ressecamento em apenas 15 horas após a postura e podem resistir a longos períodos de dessecação, até 450 dias em média”, completa.

 

Drones contra a dengue

Algumas cidades do Estado de São Paulo, como Várzea Paulista e Sorocaba, têm utilizado a tecnologia a favor do combate à dengue. Por lá, os famosos drones, objetos voadores não tripulados, são usados pelas prefeituras para localizar possíveis focos do Aedes Aegypity, em locais onde os agentes de saúde não conseguem chegar, como no alto de prédios, a 100 metros de altura, por exemplo.

O equipamento sobrevoa a cidade e registra fotos e vídeos de locais onde muitas vezes, sequer os próprios donos conseguem enxergar como calhas, caixas d´água destampadas e lajes. Algumas máquinas consegue tirar 10 fotos por segundo. Após a análise das fotos e constatação de pontos de risco, as prefeituras buscam no cadastro o nome do proprietário da área e ele então é notificado. Em muitos casos há até a aplicação de multas caso o dono não faça a limpeza do local após o aviso. Ricardo torce para que logo comece a ser usada em outras regiões. “Acredito que todos os esforços são fundamentais e necessários para o combate à dengue e melhoria da saúde da população”, comenta.

 

Você contra a dengue

No Rio de Janeiro, qualquer morador pode denunciar focos de dengue. Para isso, basta ligar para o telefone 1746, da Prefeitura. Além disso, na página Rio Contra Dengue (www.riocontradengue.rj.gov.br), do Governo do Estado, os visitantes encontram dicas de como identificar os sintomas da doença, material para conscientizar a vizinhança e aprendem a eliminar os focos da dengue.