Rio de Janeiro, 23 de março de 2014

Rio 40º

Ar condicionado, por favor Continue lendo

tamanho do texto:

André Luiz Barros

O carioca já sabe, é só dezembro chegar, pra temporada de calor pegar o Rio de Janeiro pelo pé. Entre um mergulho nas lindas praias da cidade ou o desgaste na hora de chegar ao trabalho, uma sensação é unânime: o calor está de matar. Os recordes de temperatura batem de semana em semana, o de sensação térmica então, nem se fala. A temperatura do Rio já passou dos 40º graus faz tempo e, não adianta, no carro, no trabalho ou em casa, o ar condicionado parece ter sido a melhor invenção de todos os tempos. Mas e na hora de instalá-lo? Como não fazer dele uma dor de cabeça maior do que todo esse calorão?

O prédio do síndico Alonso Cirino, o Edifício Engenho Life II, no Engenho da Rainha, Zona Norte do Rio de Janeiro, foi lançado há menos de um ano, e de lá pra cá, não demorou muito para que uma Assembleia fosse convocada para alinhar a questão da instalação de ar condicionado no prédio. A construtora ergueu o edifício já com os espaços reservados na parede para os aparelhos tradicionais, mas muitos moradores decidiram investir um pouco mais alto, pensando na economia de longo prazo, e decidiram comprar o ar do tipo split. “Cerca de 40% dos moradores do condomínio possuem ar condicionados split. Tivemos que dar um jeito e formatar um padrão para essa instalação”, conta Alonso.

O condomínio permite a instalação do modelo diferente, desde que algumas regras sejam seguidas. Entre elas a utilização do espaço interno do apartamento para acondicionar parte do equipamento e a mangueira de água. “O morador que burlar a regra será advertido e caso não tome nenhuma providência, ou seja, reincidente, será obrigado a pagar uma multa no valor de 50% do condomínio, mas por enquanto não registramos essa ocorrência”, comemora o síndico.

Nem todo condomínio possui sistema trifásico e está preparado para suportar cargas extras de eletricidade. Há prédios antigos, por exemplo, em que a instalação de qualquer ar condicionado precisa ser comunicada ao síndico para que ele cheque e esteja a par da nova carga elétrica que será implementada ao sistema do edifício.

O publicitário Jonathan Fernandes lutou para conseguir um aparelho de ar condicionado. Em pleno verão do Rio as lojas já estão em falta com o equipamento e não estão conseguindo atender à alta da demanda. Assim que conseguiu adquiri-lo, instalou o ar por conta própria, seguindo as instruções do manual. “A instalação foi tranquila, tive apenas que resolver um probleminha após colocar o aparelho no lugar. Uma vizinha reclamou que estava vazando água sobre a caixa do ar condicionado dela, no andar de baixo. Fiz um pequeno ajuste e sanei o problema”, comenta Jonathan.

Jonathan se mudou recentemente para o Flamengo, onde aluga um apartamento no Condomínio Mauro e não chegou a comunicar ao síndico sobre a instalação do eletrodoméstico. O advogado André Luiz Junqueira chama a atenção. “O morador pode instalar o aparelho de ar condicionado desde que já tenha a certeza de que o local de instalação e o tipo de aparelho estão de acordo com o padrão do condomínio”, destaca ele.

De acordo com Junqueira, não existe determinação legal clara a respeito, mas o procedimento correto na hora da instalação é entrar em contato com o condomínio e certificar-se dos padrões do edifício. “É fato que a instalação de ar condicionado altera a parte externa da edificação, mas a sua instalação não pode ser proibida em absoluto. O que pode ser feito pelo condomínio é padronizar o local e tipo de aparelho a ser instalado, de forma que se mantenha a uniformidade externa do prédio”, sugere.

Outros cuidados
Não são apenas os cuidados legais que devem ser levados em conta quando se pensa em refrescar o apartamento com o ar refrigerado. Empresas especializadas na instalação e manutenção de ar condicionado destacam a verificação junto à construtora sobre a capacidade e infraestrutura para o ar condicionado; a checagem com o síndico sobre como os aparelhos e suas unidades condensadoras para a parte externa do prédio e o aviso ao condomínio sobre a potência do aparelho, para que não haja sobrecarga, são fundamentais.

Além disso, para que não há problemas na instalação do equipamento tradicional por conta própria, no caso do split, por sua vez, a montagem deve ser feita por um técnico autorizado, devido a sua garantia e algumas manobras técnicas que só um especialista treinado e com ferramentas adequadas poderá fazer.