Rio de Janeiro, 24 de maio de 2014

Contratando a pessoa certa

Comparar o candidato ao perfil requerido e buscar referências de empregos anteriores são táticas adotadas por muitos síndicos Continue lendo

tamanho do texto:

Encontrar a pessoa certa para uma vaga de trabalho nem sempre é uma missão fácil. Errar na hora da escolha do profissional é mais comum do que se imagina. Se este é um desafio até para os profissionais do setor de Recursos Humanos, imagina para quem é marinheiro de primeira viagem, precisa orquestrar um processo seletivo e fazer a melhor aposta. Dicas simples podem fazer a diferença na contratação em condomínios, além de evitar futuros problemas entre síndico e colaboradores.

Sandra Sueli Queiroz é sindica do condomínio M.Rozen, em Botafogo. Já há alguns anos no cargo, gere uma equipe de cinco funcionários, dois deles, um faxineiro e um porteiro, contratados em 2013. A síndica acredita que o contato cara a cara durante a entrevista e boas referências é fundamental para a escolha do profissional ideal.

“É na entrevista que consigo perceber se o candidato se comunica bem, é paciente e alfabetizado. Essas são três características primordiais para as vagas daqui do condomínio. Costumo fazer uma análise curricular e ouvir pessoas que já trabalharam com o concorrente à vaga”, comenta Sandra. Ainda segundo ela, apesar do cuidado na hora da contratação a média de tempo de trabalho no condomínio é de cerca de dois anos. “A rotatividade é alta”, lamenta.

Nos edifícios Sá IX, na Tijuca, e Solar Santa Margarida Maria, na Lagoa, quem comanda o quadro de funcionários é o síndico Eduardo Ximenes. Acostumado com o trato na hora de contratar e demitir funcionários, ele conhece bem o passo a passo e criou sua própria técnica para acertar na seleção. “Costumo convidar os candidatos a uma entrevista e já verifico se a documentação exigida está nos conformes. Durante a conversa aproveito para aplicar um teste comportamental criado por mim mesmo. A ideia é submeter o candidato sem que ele perceba as situações do dia a dia do condomínio e checar como ele agiria em cada caso. Essas são fases eliminatórias”, diz.

Assim como Sandra, Eduardo também busca referências, muitas vezes chegando a ligar ou ir pessoalmente ao antigo do trabalho do candidato para confirmar algumas informações. O síndico aproveita sua rede de contatos profissionais para criar um banco de talentos, que utiliza sempre que precisa quando abre alguma oportunidade de trabalho. Mesmo assim, quando não consegue triar previamente nenhuma pessoa dentro do perfil que procura, investe em anúncios em jornais ou recorre a empresas especializadas em recrutamento e seleção.

A opinião dos especialistas
A contratação de funcionários é uma responsabilidade importante do síndico. A especialista em Recursos Humanos e presidente do Grupo DSRH, Teresa Fraga, destaca que diante dessa responsabilidade é primordial levar em consideração que a equipe a ser contratada atenderá a todos os condôminos e não apenas ao síndico, daí a importância em se fazer um bom alinhamento de perfil para que a contratação seja segura e assertiva.

 

Teresa alerta às indicações. “O principal erro da contratação por indicação é a falta de análise do perfil de candidato e checagem se ele atenderá mesmo ou não às atividades da vaga. Para evitar este erro, o síndico tem que tratar a indicação como um candidato normal, submetendo o indicado às etapas do processo seletivo como todos os outros e só contratá-lo se realmente tiver as competências necessárias para assumir a função”, sugere a especialista.

Ainda segundo Teresa, é importante estar atento à condução da entrevista, priorizado um discurso claro e objetivo, não deixando de apresentar ao candidato as atividades que serão desenvolvidas, o salário, os benefícios e já deixando bem definidas a carga horária e o sistema de folgas. Informar sobre o dia a dia do condomínio, falar brevemente sobre o perfil dos condôminos e o que esperam dele caso seja aprovado no processo também é legal.

O gerente regional de Condomínios da APSA, Márcio Erli, chama a atenção para uma questão importante: a segurança. Segundo ele é buscando o maior número de informações sobre o candidato e se inteirando das experiências anteriores que problemas futuros em relação à segurança condominial envolvendo colaboradores do prédio podem ser evitados. Teresa e Márcio concordam quanto à questão das indicações.

“Um dos maiores erros na hora da contratação é o aproveitamento sem qualquer apuração ou conhecimento de candidatos indicados por outros síndicos ou funcionários. A melhor alternativa é a contratação de uma empresa especializada no recrutamento e seleção de funcionários”,  defende Márcio.

De maneira geral, os candidatos precisam ter a competência técnica e comportamental definidos no perfil da oportunidade. Para se trabalhar em condomínio é interessante que o profissional saiba exercer a paciência, já que lidará com um grupo de pessoas com personalidades diferentes, seja discreto, solícito e proativo dentro do cargo que ocupa. Quase sempre as aparências enganam, mas a primeira impressão é a que fica, por isso é trivial ouvir e analisar tudo o que foi dito durante a apresentação do candidato e o que informa seu currículo. Levando tudo isso em consideração, acertar na hora da contratar um novo colaborador pode ficar bem mais fácil.